Comunidades

UMA NOVA PARÓQUIA 

Comunidade de Comunidades – Conversão Pastoral

“No mundo, hoje, há muita sede e, em Cristo, há a água que sacia toda sede humana. Compete à paróquia, como comunidade de comunidades, facilitar o acesso à essa Água Viva. Feliz a comunidade que é um poço dessa Água Viva, da qual todos podem se aproximar para saciar sua sede” (no 326).

A Igreja no Brasil está acolhendo a palavra dos seus pastores, através de um novo documento da CNBB, fruto da 52a Assembleia Geral, realizada em maio de 2014. O documento No 100 “Comunidade de comunidades – Uma nova paróquia” está pedindo a “conversão pastoral da paróquia”, e chega as comunidades como confirmação da trajetória pastoral que a Igreja no Brasil vem trilhando nos últimos tempos, fazendo uma releitura do Concílio Vaticano II. A partir das sugestões enviadas à CNBB, pelas comunidades, são agora apontadas algumas características para que cada paróquia do Brasil seja, de fato, uma paróquia missionária.

Comunidade de Comunidades

Multiplicação de grupos não resolve. Paróquia missionária não é aquela onde se faz uma multiplicação de grupos e movimentos, pois, quase todos os que já existem ou os novos que são criados “pescam no mesmo aquário”. Uma paróquia missionária é aquela que busca reforçar, reanimar, dinamizar o seu Espírito Missionário, criando uma nova consciência de ação e de missão, sendo presença na sociedade

Abrir-se para o novo. A pastoral ordinária não pode tornar-se apenas uma forma de manutenção ou de conservação. As comunidades e serviços já existentes, não podem voltar-se apenas para a sua vida interna.

Seus membros devem abrir-se para o novo. O novo provoca a união de várias pastorais num objetivo comum, por exemplo, ou nos leva à abertura para a riqueza e experiência cristã dos outros através do diálogo religioso.

Rede de Comunidades. Numa Igreja Missionária o particular deve somar-se com o todo. Uma comunidade eclesial não pode tornar-se uma paróquia em miniatura. Abrindo-se para o todo, a Igreja estará sendo fiel à sua missão de visualizar continuamente o Reino de Deus.

Dinamismo. É preciso investir muito na formação e capacitação de seus membros. Desta forma a paróquia e as comunidades encontrarão uma fonte nova de revigoramento, de força e de animação. A Paróquia Missionária é uma paróquia dinâmica, renovada a partir de seu interior. Nela, as coisas necessárias e costumeiras tomam um sentido novo, tendo perspectivas diferentes. Projeto continuado. A realidade de uma Igreja Missionária não se cria de um dia para o outro e nem pode ser imposta do alto. É um projeto a ser continuado, até que “novos céus e nova terra aconteçam”.

Pe. Inácio Mendeiros CSsR- Reportagem escrita no jornal A Voz da Esperança- Edição 09 – Ano 2014 Setembro e Outubro.